quinta-feira, 6 de agosto de 2020

EPI - A importância do capacete de segurança

Quando você ouve falar em segurança do trabalho, talvez o primeiro EPI que vem a sua mente é o capacete. Para muitos, o capacete é considerado como símbolo da segurança do trabalho, e não é pra menos, sem ele os trabalhadores estariam expostos a muitos riscos, e vários deles fatais.
O capacete de segurança é um EPI (Equipamento de Proteção Individual) obrigatório em muitas atividades e tem como principal objetivo proteger a cabeça do trabalhador contra impactos, provenientes de quedas de materiais ou ferramentas, pancadas geradas por queda do colaborador e em alguns casos, contra choques elétricos.

Na maioria dos casos, o capacete é utilizado no setor industrial e na construção civil. É importante ressaltar que como qualquer outro EPI, o capacete deve ter o CA (Certificado de Aprovação) válido.
O seu uso de forma inadequada pode diminuir a sua eficácia ou gerar novos riscos. Alguns exemplos de uso inadequado são: quando o capacete é usado sem o ajuste adequado ao tamanho da cabeça do trabalhador, utilizado juntamente com um boné ou chapéu, sem estar preso à jugular, não fazer a correta manutenção ou higienização entre outros.

Tipos de capacetes

Os capacetes de segurança são divididos em três tipos:
Tipo 1: Capacete de segurança com aba total: existe uma aba na totalidade, de forma circundante do capacete. Oferece uma proteção a mais à face, ombros e pescoço. 
Tipo 2: Capacete de segurança com aba frontal: a aba do capacete é apenas na parte frontal. Oferece maior proteção à face e olhos do usuário.
Tipo 3: Capacete de segurança sem aba: capacete não possui nenhum tipo de aba. Esse tipo de capacete permite maior agilidade em espaços apertados.

Além desses três tipos, existem duas classes de proteção: classe A e classe B.
Os capacetes de segurança classe A protegem contra impactos ocasionados por quedas de objetos. Já os de classe B oferecem também a proteção contra choques elétricos.

Funcionamento e composição do capacete

Na maioria dos casos, os capacetes são divididos em: concha e carneira. 
A concha é a parte que recebe o impacto e a carneira absorve esse impacto e garante que a energia gerada por ele não seja transferida de forma direta para a cabeça do trabalhador.
O casco é desenvolvido com um material plástico chamado polietileno de alta densidade. Deve ser composto de apenas um material maciço, sem emendas.
A carneira deve ser ajustável e resistente e deve possuir quatro pontos de fixação no casco. Também é composta de polietileno, porém de baixa densidade.

Cores dos capacetes

Antes, é bom lembrar que não existem cores padrões para uso dos capacetes. Cada empresa pode decidir qual é o próprio padrão de cores.
Abaixo você pode conferir o padrão de cores mais utilizados na construção civil:

Amarelo - geralmente utilizado por visitantes.
Branco / cinza - engenheiros, técnicos, mestres de obra e encarregados;
Verde - serventes, armadores e operários;
Azul - pedreiros;
Vermelho - bombeiros e carpinteiros;
Laranja - eletricistas;
Marrom - carpinteiros e visitantes;
Preto - Técnicos em segurança do trabalho

Cuidados na manutenção, higienização e guarda

É importante manter os nossos equipamentos de proteção sempre em ótimo estado, para que assim eles possam dar a nós a proteção necessária. Com o capacete não é diferente. Regularmente temos que inspecionar, para verificar se existem rachaduras, perfurações ou sinais de deterioração no casco. 
Evite guardar o capacete em contato com produtos corrosivos ou abrasivos, ou deixar exposto à luz solar, pois isso poderá enfraquecer o casco. Para realizar a limpeza, use somente água e sabão neutro. Vale lembrar que o capacete não é balde, travesseiro, nem banco... Use-o para a finalidade a qual se destina: proteger a sua cabeça.

Temos outros artigos dessa série:

Nenhum comentário:

Postar um comentário